III Festival de Teatro do GEDE

 

*****************************************************************

 

27 de Setembro | 18h | Cineteatro António Lamoso

 

GEDE

 

REQUIEM PARA CARNE

 

 

Sinopse

Requiem para Carne conta a história de seres humanos reais e de todos os seus sentimentos como inveja, egoísmo e ódio. No texto, duas irmãs que vivem numa casa distante de tudo recebem, numa noite, a visita de um casal com o seu filho pequeno. A família chega para pedir abrigo, pois algo aconteceu com o carro, o que os impede de prosseguir o seu caminho. Sem saber o que se pode esperar de seres humanos desconhecidos, o espetáculo é marcado por tensão e suspense.  
Psicopatia, Sociopatia, Filosofia, Vinho e Carne. Ingredientes perfeitos para um thriller imperdível... 
Quem será o vilão, quem será o verdadeiro psicopata deste trama?   
 

 

Texto

 
 
Elenco
RICARDO SILVA | CARLA SOARES | MARISA GOMES | PEDRO SANTOS | SOFIA CASTRO | NUNO CASTRO | SANDRA FONTES | RAMIRO REIS | JORGE FERNANDO | ANA RITA LEITE | ZÉ CARLOS

 

*****************************************************

10 de Outubro  | 21h30 | Salão Paroquial de Escapães

 

Nova Comédia Bracarense

Braga

 

"MALA DE CARTÃO"

 

Sinopse:

O texto inédito Mala de Cartão é uma comédia de costumes à boa maneira do teatro camiliano, onde as relações familiares constituem o centro das atenções. A ação decorre nas terras do Minho por volta do ano de 1965, vivendo-se ainda por esse tempo a ditadura salazarista, já com Marcelo Caetano a comandar os destinos da Pátria. A história, que poderia resumir-se em duas linhas, coloca em destaque duas famílias distintas, ligadas socialmente por laços de serventia e poder: de um lado, uma família aristocrata, proprietária de bens e terras; do outro lado, a família de um fazendeiro, que se debate diariamente com dificuldades para arrancar da terra o sustento abençoado. 
É sob este ambiente de confrontação e pudor social que Mala de Cartão se desenvolve em cena, procurando recriar quadros pitorescos, carregados de alguma comicidade e ironia, com o objetivo de provocar não só o riso no espectador, mas também transmitir algum realismo ao público expondo à vista de todos “vislumbres” do Portugal rural da década de 60

 

PERSONAGENS INTÉRPRETES
José Justino Diamantino Esperança
Maria da Conceição  Ana Paula Leite
António Manuel Nuno
Joana dos Olivais Helena
Alfredo das Névoas António Manuel
Ernestina dos Casais Fátima Carvalho
Luísa Maria Diana
Zé da Costa Vasco Oliveira
 
FICHA TÉCNICA:
Texto dramático José Manuel Barros
Encenação Vasco de Oliveira
Sonoplastia e Luz Carlos Barbosa
Cenografia/ caracterização/figurinos coletiva
Direção artística José Manuel Barros
Cartaz Carolina
Produção NCB 2012
 
 
Nova Comédia Bracarense
 
A NCB nasce em 1990 na cidade de Braga, na sequência do projecto "Amor de Perdição", levado a cabo pelos grupos "Os Pantomineiros" de Palmeiras, A2 e o Grupo de Teatro de Semelhe, no âmbito das comemorações da morte do escritor Camilo Castelo Branco. Satisfeitos com a experiência, o grupo manifestou desde logo o interesse em continuar com o projecto, sob a denominação"Nova Comédia Bracarense" companhia de teatro amador de Braga.
 

Os critérios adoptados por este grupo, são os de procurar nos seus espectáculos, estabelecer o equilíbrio entre o divertimento e a reflexão, as escolhas dos textos baseiam-se num critério artístico, segundo o qual pretendemos dar ao texto, à palavra, o lugar a que ela tem direito no teatro, revistida da necessária qualidade literária.

Artísticamente, a "Nova Comédia Bracarense" opta por uma linha de qualidade independemente do género de peças a adoptar. Procura, dentro das condições que lhe são concedidas, funcionar como referência qualitativa para o teatro amador do concelho. A ideia principal é fazer com que a "Nova Comédia Bracarense", seja uma porta aberta a quem ambicione ou manifeste aptidão e vontade pela representação.

Do ponto de vista da planificação e da produção teatral, é intenção do grupo realizar, pelo menos três peças anuais, uma para o grupo infantil, uma para o grupo juvenil e finalmente outra para o grupo sénior, pelo que o elenco se reparte por três grupos de trabalho. Com esta organização, visa-se colmatar uma lacuna que se verifica ao nível do teatro, pois actualmente poucos são os grupos de treatro amador do concelho de Braga que apresentam com regularidade espectáculos de teatro amador à cidade. As nossas produções privilegiam o reportório nacional, particularmente aquele que está esquecido e também autores estrangeiros que fazem parte do reportório universal.

********************************************************

11 de Outubro | 17h | Salão Paroquial de Escapães

 

TEATRO DE BALUGAS

Balugães, Barcelos

 

Auto dos Bons Diabos